guia de sobrevivência: trabalhar 48h em 5 dias

Essas férias da páscoa são maiores do que as outras. São quase 20 dias de folgadas aulas, mas alguns alunos ainda assim ficam por aqui. Eu ainda tô pra entender esse desprendimento dos pais com os filhos… Mas enfim.

Pelo menos dessa vez o Gabriel, que faz a escala, já sabia que não ia adiantar me colocar em horários muito cedo e não tive que me estressar com isso. Os dias foram longos, mas ao menos começavam depois das 10h!

Na maioria dos meus shifts eu fiquei com o DB., um menino que eu já conhecia do respite anterior, então foi bem sussa, e ele estava um amor. O Henrique T. o conheceu e também adorou ficar com ele. Eu não fiz nenhuma saída por causa dos meus shifts, mas só de ficar com um aluno tão fofo, já compensou! No último dia que eu estive lá ele estava tão de bem, depois do banho ficou dando “cabeçadas de amor”, hehe. Assim que é bom trabalhar!

Também fiquei com o HS uma noite e ele estava meio encapetado. Achei que a culpa era minha, mas outro dia vi ele fazendo pior com a outra voluntária, então o problema não era eu, hahaha! Ele pode ser fofinho quando quer, e um demônio quando é contrariado…

O único shift que trabalhei com o Henrique T. foi um longo dia que eu estava dando suporte com a Julia, da Alemanha e a nossa aluna, a RA., passou metade do tempo dormindo. Achei que seria pior, mas até que foi suave, ela estava cansada mas na hora de dormir não queria ficar na cama de jeito nenhum. A gente tentou de tudo, mas no fim do meu shift ela ainda estava perambulando pela casa toda escura…

O que eu achei chato dessa vez é que vai ter respite dos alunos mais velhos e ninguém avisou antes. Eu preferiria trabalhar com os “meus” alunos do que ter que descobrir em 5 dias como trabalhar com os alunos dos outros, ainda mais que é muito diferente a relação que se tem com as crianças. Eu acho que no fim nem é muito benéfico pras crianças, a maioria precisa estar com pessoas de confiança e essas mudanças sempre mexem com a rotina delicada delas.

Tem gente que vai trabalhar mais, eu peguei o e-mail que recebi quando cheguei e disse que não ia trabalhar mais não. Fiquei uma parte da folga ociosa mesmo, mas o que eu faço nesse tempo não é problema de ninguém. E quando este texto for ao ar, estarei linda e bela em Paris! Porque afinal de contas, eu mereço 😉

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *